Depois do divórcio… Os filhos só querem os pais presentes.

Após o divórcio é fundamental os pais aprenderem a desenvolver relações funcionais enquanto pais.

Desgastados e cansados do processo judicial, é chegada a hora de recomeçar sem mágoas e desconfianças, readquirindo o equilíbrio emocional da nova vida.

A criança ou adolescente não tem de tomar partido, dar provas de lealdade ou de amor após a separação dos pais. Quer apenas ambos os pais presentes na sua vida, quer sentir-se seguro, amado e protegido.

Como regra primordial, não permita ouvir um familiar dizer mal do pai ou da mãe, ou pior esperar que participem no ataque a um dos pais.

Mostre, por ações e atitudes, que você e o outro progenitor conseguem lidar com a situação, que são os adultos e que controlam a nova situação. Veja até que ponto se está a apoiar nos seus filhos para sentir amparo emocional.

O choro ou a demonstração de sentimentos é algo perfeitamente natural da sua parte e dos seus filhos. O choro alivia quando é espontâneo e surge na sequência da dor, do medo ou de uma discussão. Mas o choro prolongado na frente dos filhos, é terrível para eles no meio de uma crise prolongada, podendo ser mesmo perturbador e provocar alterações comportamentais.

Palavras de uma jovem de pais divorciados:

“não atribuam aos vossos filhos papéis que não estão prontos para representar – os filhos não podem ser pais, para os pais. Não os obriguem a crescer precocemente”

Se sentir duvidas de como agir, procure ajuda profissional para aliviar os novos trilhos de uma nova vida.

 

Maria José Rocha

Psicóloga da Educação e do Desenvolvimento

Partilhar